Palmares, 29 de novembro de 2021

Uma reflexão sobre o Salmo 22

08 de setembro de 2021   .    Visualizações: 140   .    Notícias da Diocese

*Pe. João Paulo Gomes Galindo

Meu Deus, meu Deus, por que você me abandonou?
Por que tão longe do meu pedido de socorro,
dos meus gritos de angústia?
Meu Deus, eu ligo de dia, mas você não atende;
à noite, mas não tenho alívio.
No entanto, você está entronizado como o Santo;
você é a glória de Israel.
Em você nossos pais confiaram;
eles confiaram e você os resgatou.
Para você eles gritaram e eles escaparam;
em ti confiaram e não se decepcionaram.
Mas eu sou um verme, não um homem
desprezado pelos homens, desprezado pelo povo.

Todos os que me veem zombam de mim;
eles torcem os lábios e zombam;
eles balançam a cabeça para mim:

“Ele confiou no Senhor – deixe-o livrá-lo;
se ele o ama, deixe-o resgatá-lo.”

Pois você me tirou do ventre,
me deu segurança aos seios de minha mãe.
Sobre você fui lançado desde o ventre;
desde que minha mãe me deu à luz você é meu Deus.
Não fique longe de mim,
pois o problema está próximo
e não há ninguém para ajudar.

SALMO 22, 2 – 12

Nestes dias participei de uma semana de exercícios espirituais da escola sacerdotal. Em uma das meditações escolhi este salmo. Nos momentos de partilha a maioria das pessoas que pergunto concordam que os salmos que lemos são “muito deprimentes”. Durante algumas discussões, tentei reformular a perspectiva deles. Os salmos de lamentações geralmente começam com imagens chocantes e até revoltantes, mas o fim é sempre o mesmo – esperança e louvor da bondade e misericórdia de Deus.

Em tempos de extrema solidão, quando nos sentimos sem nome e apagados como Jesus se sentiu durante sua paixão, os salmos falam à condição humana. Usando uma linguagem e metáforas que não ignoram a realidade do sofrimento, os salmos foram escritos precisamente porque não ofereciam clichês açucarados ou soluções ensolaradas para problemas humanos difíceis e complexos.

Palavras como “gritos de angústia” e “clamores” falam do desespero do salmista. Na maioria das vezes, os cristãos são instruídos a continuar com um sorriso e uma tocha de alegria quando estão lutando. Isso pode ser encorajado pelos líderes no ministério por causa do medo da dor humana real e profunda – o grau da qual não pode ser amenizado por sentimentos melosos ou descartado com banalidades alegres.

Também notamos outras palavras que indicam os sentimentos de angústia do salmista: “abandonado”, “sem alívio” e “desprezado”. É importante notar que a reação emotiva do salmista não é a mesma que sua fé expressa, mesmo quando uma mortalha de desespero está surgindo no horizonte desta vida. Os cristãos podem, e muitas vezes se sentem, sem esperança sem cometer o pecado do desespero. Isso ocorre porque as emoções não são atos da vontade. Podemos sentir qualquer coisa, mas decidimos fazer e acreditar em algo contrário aos nossos sentimentos.

O salmista ainda se descreve como um “verme, não um homem”, não porque ele reconheça sua humildade, mas está implorando a seu Deus por salvação. Zombaria e julgamento são posteriormente retransmitidos, e esse sentimento de indignidade e inadequação tornou-se intransponível sem a intervenção de Deus neste ponto.

Durante os períodos de provações espirituais, é provável que nos sintamos invisíveis – sim, até mesmo para nossos padres, nossos amigos e familiares, nossos colegas de trabalho, nossos cônjuges. Essa compreensão de que ninguém entende exatamente o que estamos experimentando, pelo menos não totalmente, é, como Santa Teresa de Calcutá disse uma vez, a “maior pobreza”. Talvez a linha de abertura deste salmo represente: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste” para que possamos nos lembrar do tormento emocional e mental de Jesus enquanto Ele sofria um mal impensável e hediondo.

De forma paradoxal, isso se torna nosso consolo. Não remove nosso sofrimento nem o substitui, mas, em vez disso, eleva a alma a um estado de esperança renovada que, embora frágil, não foi totalmente extinta. Este pode ter sido o objetivo principal do salmista, aceitar e admitir a derrota, mas simultaneamente agarrar-se à promessa de Deus, cumprida por meio da salvação do Messias.

Finalmente, na miséria do salmista, ele exalta Deus como soberano – “entronizado” – e se lembra de Sua fidelidade aos ancestrais do salmista que confiaram em Deus e perseveraram em suas tribulações. Eles “escaparam” e “não ficaram desapontados”. Nesta retrospectiva, o salmista busca um motivo para continuar se voltando para Deus, apesar da realidade de que seu sofrimento continua e, de fato, se torna mais insuportável.

Por fim, ele lembra a Deus que foi Ele quem criou o salmista e, portanto, toda a humanidade, que sua fé em Deus habitou nele desde o início de sua vida. Ele conclui este seguimento do salmo com o seguinte: “Não fiques longe de mim, porque a angústia está próxima e não há ninguém para ajudar”.

Nós também podemos repetir essas palavras quando uma linguagem fluente e floreada nos escapa. A fadiga emocional, o esgotamento mental, a exaustão física e a secura espiritual, quando combinados, nos deixam com sede. No entanto, ao ensaiar as palavras de salmos como este, nós também podemos nos lembrar de tempos de bênção e florescimento. Nem a privação, nem a abundância são indicações do favor ou desprazer de Deus; em vez disso, podemos permanecer em algum lugar nas cavernas de nossa escuridão e esperar que Deus nos livre, mais uma vez, do problema que nos aflige.

 

 

 

 


Fonte da Foto: PxHere

FacebookWhatsAppTwitter

VEJA TAMBÉM