Palmares, 29 de outubro de 2020

PENSANDO SOBRE VOCAÇÃO?

01 de agosto de 2020   .    Visualizações: 216   .    Noticias

O Chamado de Mateus. 1599-1600. Por Caravaggio, atualmente na Capela Contarelli em San Luigi dei Francesi, em Roma.


Deus tem chamado o homem desde o primeiro “Onde estás?” (Gn 3,9) endereçado a Adão no Jardim do Éden.
Como o homem ouve esse chamado e o que ele diz?

Os chamados são numerosos e variados.

Até as estrelas são chamadas a brilhar: “As estrelas brilham, alegremente, em seus postos de observação; ele as chama e elas respondem: “Aqui estamos nós!” Elas brilham de alegria para aquele que as fez. (Bar 3, 34-35). Mais precisamente, há chamados histórias de “vocação” em toda a Bíblia. Em uma certa situação, o Senhor se manifesta por uma palavra ou às vezes por um gesto: a oferenda de Gideão é queimada pelo fogo do céu (cf. Jz 6,21); Isaías é atingido na boca (cf. Is 6,7); Ezequiel recebe um rolo que ele deve comer (cf. Ez 3, 1-3). Nesses textos, o homem ouve que Deus o chama na vida cotidiana, em suas dificuldades ou na mera disponibilidade do coração, para manifestar sua vontade e amor e sua vocação.

O Senhor chama…

“Mas como se deve fazer para ser sacerdote, onde se vende o acesso ao sacerdócio? Não, não se vende! Trata-se de uma iniciativa que o Senhor toma. É o Senhor que chama. E chama cada um daqueles que Ele deseja como presbíteros. Talvez aqui haja alguns jovens que sentiram no seu coração este apelo, o desejo de se tornar sacerdotes, a vontade de servir os outros em tudo aquilo que vem de Deus, o desejo de estar durante a vida inteira ao serviço para catequizar, batizar, perdoar, celebrar a Eucaristia, curar os enfermos… e assim durante a vida inteira! Se algum de vós sentiu isto no seu coração, foi Jesus que o pôs ali. Esmerai-vos por este convite e rezai a fim de que ele prospere e dê frutos na Igreja inteira”. (Papa Francisco – catequese de 26 de março de 2014).

“Eu escolhi você…”

No fundo desta questão, a única causa real é o olhar amoroso de Jesus que caiu sobre cada um de nós e sua voz que intimamente nos diz: “Siga-me”.
“O chamamento de Deus está na origem do caminho, que o homem há-de cumprir na vida: esta é a dimensão primária e fundamental da vocação, mas não a única. Na verdade, com a ordenação sacerdotal tem início um caminho que se prolonga até à morte, sendo todo ele um itinerário «vocacional». O Senhor chama os presbíteros às diversas funções e ministérios, gerados de tal vocação. Mas há um nível ainda mais profundo: por detrás das funções que são a expressão do ministério sacerdotal, permanece sempre, na base de tudo, a própria realidade do «ser sacerdote». As situações e as circunstâncias da vida convidam incessantemente o sacerdote a confirmar a sua opção originária, a responder sempre e de novo ao chamamento de Deus. A nossa vida sacerdotal, como toda a existência cristã autêntica, é uma sucessão de respostas a Deus que chama”. (CARTA DO PAPA JOÃO PAULO II AOS SACERDOTES POR OCASIÃO DA QUINTA-FEIRA SANTA 1996).

Ouse responder

Para aqueles que têm medo de responder, para aqueles que se sentem incapazes ou indignos de sua vocação… ou seja, um pouco todos nós, em certos momentos importantes de nossas vidas: Se olharmos para nossas próprias habilidades, não ousaremos responder ao chamado para ser um padre. Quem somos nós para sermos chamados para uma vocação tão bonita?

A vocação sacerdotal: um dom e um mistério

A história da minha vocação sacerdotal? É Deus acima de tudo quem a conhece. Em seu nível mais profundo, cada vocação sacerdotal é um grande mistério, é um dom que vai além do homem infinitamente. Todos nós, padres, experimentamos isso ao longo de nossas vidas. Dada a grandeza deste dom, sabemos como somos deficientes.
O padre deve ter um aprofundamento científico. Na verdade, como São Tomás ensina o mesmo, “o conhecimento infundido” o, que é o resultado de uma intervenção especial do Espírito Santo, não se eximem da obrigação de adquirir o “conhecimento adquirido”. (Cf. São João Paulo II, Dom e Mistério, p. 15-16).
Servos da alegria e da vida dos homens
A verdadeira alegria não vem das coisas, do ter, não! Nasce do encontro, da relação com os demais, nasce do sentir-se aceito, compreendido, amado e do aceitar, do compreender e do amar: e isto não pelo interesse de um momento, mas porque o outro, a outra é uma pessoa. A alegria nasce da gratuidade de um encontro! É ouvir-se dizer: «Tu és importante para mim», não necessariamente com palavras. Isto é bonito… E é precisamente isto que Deus nos faz compreender. Ao chamar-vos, Deus diz-vos: «Tu és importante para mim, eu amo-te, conto contigo». Jesus diz isto a cada um de nós! Disto nasce a alegria! A alegria do momento no qual Jesus olhou para mim. Compreender e sentir isto é o segredo da nossa alegria. Sentir-se amado por Deus, sentir que para Ele nós não somos números, mas pessoas; e sentir que é Ele que nos chama. Tornar-se sacerdote, religioso, religiosa não é primariamente uma nossa escolha. Eu não confio naquele seminarista, naquela noviça, que diz: «Escolhi este caminho». Não gosto disto! Não está bem! Mas é a resposta a um chamado, a um chamado de amor. Sinto algo dentro, que me desassossega, e respondo sim. Na oração o Senhor faz-nos sentir este amor, mas também através de muitos sinais que podemos ler na nossa vida, tantas pessoas que põe no nosso caminho. E a alegria do encontro com Ele e do seu chamado faz com que não nos fechemos, mas que nos abramos; leva ao serviço na Igreja. São Tomás dizia «bonum est diffusivum sui» — não é um latim muito difícil! — O bem difunde-se. E também a alegria se difunde. Não tenhais medo de mostrar a alegria de ter respondido ao chamado do Senhor, à sua escolha de amor e de testemunhar o seu Evangelho no serviço à Igreja. E a alegria, a verdadeira alegria, é contagiosa; contagia… faz ir em frente. Ao contrário, quando te encontras com um seminarista demasiado sério, demasiado triste, ou com uma noviça assim, pensas: mas algo não funciona! Falta a alegria do Senhor, a alegria que te leva ao serviço, a alegria do encontro com Jesus, que te conduz ao encontro com os outros para anunciar Jesus. Falta isto! Não há santidade na tristeza, não há! Santa Teresa — há numerosos espanhóis aqui e conhecem-na bem — dizia: «Um santo triste é um triste santo!». É de pouca importância… Quando encontras um seminarista, um padre, uma freira, uma noviça amuada, triste, que parece que lançaram na sua vida um cobertor muito molhado, destes cobertores pesados… que te deitam abaixo… Algo não funciona! Mas por favor: nunca haja freiras, sacerdotes com a cara «azeda», nunca! A alegria que vem de Jesus. Pensai nisto: quando um padre — digo um padre, mas também um seminarista — quando um seminarista, uma freira, falta a alegria, é triste, vós podeis pensar: «Mas é um problema psiquiátrico». Não, é verdade: pode ser, pode ser, isto sim. Acontece: alguns, coitadinhos, adoecem… Pode ser. Mas em geral não é um problema psiquiátrico. É um problema de insatisfação? Claro que sim! Mas onde está o centro daquela falta de alegria? É um problema de celibato. Explico. Vós, seminaristas, freiras, consagrais o vosso amor a Jesus, um amor grande; o coração é para Jesus, e isto leva-nos a fazer o voto de castidade, o voto de celibato. Mas o voto de castidade e o voto de celibato não acaba no momento em que se emite, continua… Um caminho que amadurece, amadurece, amadurece até à paternidade pastoral, até à maternidade pastoral, e quando um sacerdote não é pai da sua comunidade, quando uma religiosa não é mãe de todos aqueles com os quais trabalha, torna-se triste. Eis o problema. Por isto vos digo: a raiz da tristeza na vida pastoral consiste precisamente na falta de paternidade e maternidade que vem do viver mal esta consagração que, ao contrário, nos deve conduzir à fecundidade. Não se pode imaginar um sacerdote ou uma religiosa que não sejam fecundos: isto não é católico! Não é católico! Esta é a beleza da consagração: a alegria, a alegria… (Papa Francisco, julho de 2013).

O homem da Eucaristia

A celebração eucarística é a ação mais constitutiva da Igreja. O principal dinamismo de sua missão, a Igreja encontra-a primeiro na eucaristia celebrada pelo padre para reunir e nutrir do Pão da Vida a porção das pessoas confiadas a ele.
Durante a Santa Missa, após a transubstanciação, o sacerdote pronuncia as palavras: Mysterium fidei, Mistério da fé! Essas palavras, obviamente, referem-se a Eucaristia. Mas de certa forma, também sobre o sacerdócio. Não há Eucaristia sem sacerdócio, como sacerdócio sem Eucaristia. Não só o sacerdócio ministerial está intimamente ligada à Eucaristia, mas também o sacerdócio comum de todos os batizados está enraizada neste mistério. Nas palavras do celebrante os fiéis respondem: “Cristo morreu, Cristo ressuscitou, vem Senhor Jesus” Participar no sacrifício eucarístico serem testemunhas de Cristo crucificado e ressuscitado, comprometendo-se a viver a sua tríplice missão como Sacerdote, profeta e rei de que são investidos no Batismo, como lembra o Concílio Vaticano II. (São João Paulo II, Dom e Mistério).

O Sacramento da Ordem

“É através da grandeza do sacramento da Ordem que um homem se torna um sacerdote do Senhor. É através deste sacramento que o padre pode dar a vida de Deus no sacramento do batismo, a presença de Cristo em seu Corpo e Sangue na Eucaristia, misericórdia no sacramento do perdão… (São João Paulo II, Dom e Mistério).
Em virtude da Ordem, o ministro dedica-se inteiramente à própria comunidade, amando-a com todo o seu coração: é a sua família.

Impregnado com a Palavra de Deus

A primeira missão dos sacerdotes é proclamar a Palavra de Deus, ser testemunhas e pregadores do Evangelho. O sacerdote deve “viver a Palavra” Ao mesmo tempo, ele também deve se esforçar para ser intelectualmente preparado para saber completamente e efetivamente proclamar.

O celibato dos sacerdotes, um testemunho de esperança

O padre é chamado para exercer um ministério que é o ministério apostólico. É um apelo a uma função vinculada ao ministério dos bispos e, na tradição católica desde a antiguidade e as primeiras gerações após os apóstolos, este chamado para compartilhar a missão pastoral de Cristo está diretamente ligado ao dom total de si mesmo.
“Em nosso mundo, o presente parece ser suficiente. Desta forma, fechamos as portas para a verdadeira grandeza de nossa existência. O significado do celibato como antecipação do futuro é justamente abrir essas portas… para mostrar a realidade do futuro que já devemos viver como presente, para dar nosso testemunho de fé: nós realmente acreditamos que Deus existe, que Deus faz parte da nossa vida, que podemos basear nossa vida em Cristo, na vida que está por vir” … O celibato é um sim definitivo que nos permite deixar sermos tomados por Deus… (Bento XVI)

Sente esse chamado?

Uma vocação é como uma planta: frágil e cheia de promessas. Devemos cuidar dela, dar-lhe as condições certas para ela florescer. E entre essas condições há interioridade e silêncio respeitoso.
O amor é precioso e você não pode brincar com sua vida. É importante, quando uma vocação emerge: 1. Manter a liberdade falando com as pessoas certas, trocando ideias discretamente com um padre, uma pessoa consagrada que será capaz de permanecer em silêncio sobre o que lhe é confiado; 2. Dar elementos de discernimento; 3. Permitir que a Igreja autentique o chamado, para deixar as coisas se resolverem em oração… até que o fruto esteja maduro para ser colhido: uma decisão pode então ser tomada em paz: é hora de responder livremente ao chamado de Deus.
Falar de uma vocação deve convidar aqueles ao seu redor a levar a sério a questão de Deus em sua vida, qualquer que seja a resposta. Saiba que amar, se entregar é sempre mudar, de certa forma, para um estranho. A questão é reconhecer os meios que Deus nos dá para interpretar os sinais, as pistas, que estamos atentos para entender como Ele escreve através de nossas vidas e o que ele escreve.


Pe João Paulo Gomes Galindo
Pároco da Paróquia de Santa Quitéria, Palmares/PE

FacebookWhatsAppTwitter