Palmares, 10 de dezembro de 2023

Dom Fernando celebra Missa em Ação de Graças pelos 110 anos do Instituto de Cegos

15 de maio de 2019   .    Visualizações: 448   .    Notícias da Igreja

Na manhã da quarta-feira, 15/05/19, o Arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, presidiu Missa em Ação de Graças pelos 110 anos de criação do Instituto Antônio Pessoa de Queiroz (IAPQ), conhecido como Instituto de Cegos. Localizado no bairro das Graças, a entidade é mantida pela Santa Casa de Misericórdia e presta assistência a centenas de pessoas com deficiência visual e com necessidades especiais.

A Santa Missa celebrada para o público com deficiência visual foi marcada pela inclusão das pessoas com necessidades especiais. Todos os músicos que fizeram o acompanhamento musical da Missa eram deficientes visuais.

A segunda leitura da celebração foi lida pela professora de Braile do IAPQ, Florisvalda de Souza Luciano e o ofertório contou com a participação de alunos do IAPQ. No momento da Santa Comunhão, a direção do Instituto orientou os deficientes visuais católicos para que ficassem de pé para receber a Eucaristia e que o arcebispo iria ao encontro deles para ministrar o Corpo de Cristo. Um momento encheu de alegria o auditório onde foi celebrada a Missa: os músicos tocaram o hino do Congresso Eucarístico Nacional de 2020 durante a Comunhão.

Em sua homilia, dom Fernando Saburido evidenciou a ação missionária de São Paulo, que empreendeu ação edificante. O metropolita de Olinda e Recife lembrou que todos os cristãos são convidados a testemunhar e a anunciar a Boa Nova. “Estamos aqui para render graças pelos 110 anos do IAPQ, uma instituição mantida pela Santa Casa e que contribui para que as pessoas com deficiência visual possam se sentir úteis, acolhidas e incluídas”, declarou dom Fernando.

Dentre os usuários do IAPQ participando da celebração Eucarística, estavam o pequeno José Ismael, de 8 anos, e sua mãe Josefa Cícera do Nascimento. Apesar de mãe e filho residirem em Maceió (AL), ambos se deslocam para o Recife toda semana, para o pequeno José Ismael fazer tratamento. Há quatro anos a criança que nasceu com má formação congênita é assistida no IAPQ. Sua mãe relata que em Maceió não é ofertado o tratamento completo que o seu filho necessita: “Ismael já passou por várias cirurgias, é acompanhado no Imip, inclusive”.

Também participou da Missa, o usuário com deficiência visual George Luiz Braga do Carmo, de 33 anos, que relatou receber apoio total da equipe IAPQ no sentido de recuperar a autonomia. Há quatro anos George se tornou deficiente visual e vem se adaptando à nova realidade com boas expectativas de retornar ao mercado de trabalho e se reinserir socialmente: “Já fiz no IAPQ os cursos de Orientação e Mobilidade, Braile e Práticas Educativas de Vida Independente – PEVI e agora estou cursando Informática Avançada”.

O Instituto dos Cegos do Recife foi fundado em 12 de março de 1909 por Antônio Pessoa de Queiroz, sendo o 2º Instituto para cegos do Brasil e o 1º da Região Nordeste. Os seus usuários são provenientes da região metropolitana do Recife, de vários municípios de Pernambuco e até de estados vizinhos. Funcionando inicialmente na Rua da Glória, no bairro do Recife até o ano de 1927, a unidade teve que migrar em 14 de julho de 1935 para o bairro das Graças, devido à imensa procura pelos serviços. A partir de 1935 a Santa Casa de Misericórdia do Recife assumiu a manutenção e administração da entidade, o que vem ocorrendo até o momento. Para executar a administração das atividades pedagógicas, a Santa Casa conta, desde 1990, com o apoio da congregação religiosa Filhas de Santana.

Público beneficiado – O Instituto atende pessoas com deficiência visual apresentando acuidade visual zero ou baixa visão, iniciando o ingresso em escola regular bem como na idade adulta (estando ou não em atividade educacional). Do número total de usuários atendidos se destaca o grande percentual de pessoas do sexo masculino, desempregado, que sobrevive do Benefício de Prestação Continuada – BPC. O IAPQ tem como missão proporcionar autonomia aos deficientes visuais atendidos, através da profissionalização, da reabilitação e do apoio psicossocial. Dentre as atividades oferecidas pelo IAPQ estão: produção de materiais (Braille Letra Ampliada), artes manuais, artes musicais, Braille, Biblioteca, Escrita Cursiva, Sorobã, Orientação e Mobilidade (OM), Estimulação Essencial e Reeducação Visual, Dança, Teatro, Hidroginástica, Psicologia, Serviço Social e Informática.

(Pascom AOR)