Palmares, 19 de junho de 2021

Cultura do cuidado

13 de janeiro de 2021   .    Visualizações: 201   .    Notícias da Diocese

Dom Genival Saraiva
Bispo Emérito de Palmares (PE)

Como fizeram seus predecessores, São Paulo VI, São João Paulo II e Bento XVI, o Papa Francisco dirige à humanidade a Mensagem para o Dia Mundial da Paz, “no primeiro dia do ano civil”. Este ano, considerando o contexto vivido pela humanidade, escreveu: “O ano de 2020 ficou marcado pela grande crise sanitária da Covid-19, que se transformou num fenômeno plurissetorial e global, agravando fortemente outras crises inter-relacionadas como a climática, alimentar, econômica e migratória, e provocando grandes sofrimentos e incômodos. Penso, em primeiro lugar, naqueles que perderam um familiar ou uma pessoa querida, mas também em quem ficou sem trabalho. Lembro de modo especial os médicos, enfermeiras e enfermeiros, farmacêuticos, investigadores, voluntários, capelães e funcionários dos hospitais e centros de saúde, que se prodigalizaram – e continuam a fazê-lo – com grande fadiga e sacrifício, a ponto de alguns deles morrerem quando procuravam estar perto dos doentes a fim de aliviar os seus sofrimentos ou salvar-lhes a vida. […] Por isso, escolhi como tema desta mensagem ‘a cultura do cuidado como percurso de paz’; a cultura do cuidado para erradicar a cultura da indiferença, do descarte e do conflito, que hoje muitas vezes parece prevalecer.”

A expressão “cultura do cuidado” vem sendo adotada pelo Papa Francisco, em alguns documentos, como a Encíclica “Laudato Si”, e na Mensagem nesse início de 2021. Nesta, explicita diversas faces da cultura do cuidado: “Deus Criador, origem da vocação humana ao cuidado”: “Na narração bíblica da criação, Deus confia o jardim ‘plantado no Éden’ (cf. Gn 2, 8) às mãos de Adão com o encargo de ‘o cultivar e guardar’ (Gn 2, 15). Isto significa, por um lado, tornar à terra produtiva e, por outro, protegê-la e fazê-la manter a sua capacidade de sustentar a vida.” “Deus Criador, modelo do cuidado”: “A Sagrada Escritura apresenta Deus, além de Criador, como Aquele que cuida das suas criaturas, em particular de Adão, Eva e seus filhos.”“O cuidado no ministério de Jesus”: “No ponto culminante da sua missão, Jesus sela o seu cuidado por nós, oferecendo-Se na cruz e libertando-nos assim da escravidão do pecado e da morte.” A cultura do cuidado, na vida dos seguidores de Jesus”: “As crônicas históricas relatam inúmeros exemplos de obras de misericórdia. De tais esforços conjuntos, resultaram numerosas instituições para alívio das várias necessidades humanas: hospitais, albergues para os pobres, orfanatos, lares para crianças, abrigos para forasteiros, e assim por diante”.“Os princípios da doutrina social da Igreja como base da cultura do cuidado”: A diakonia das origens, enriquecida pela reflexão dos Padres e animada, ao longo dos séculos, pela caridade operosa de tantas luminosas testemunhas da fé, tornou-se o coração pulsante da doutrina social da Igreja”. “A bússola para um rumo comum”: “Através desta bússola, encorajo todos a tornarem-se profetas e testemunhas da cultura do cuidado, a fim de preencher tantas desigualdades sociais. “Para educar em ordem à cultura do cuidado”: “A promoção da cultura do cuidado requer um processo educativo, e a bússola dos princípios sociais constitui, para o efeito, um instrumento fiável para vários contextos relacionados entre si.” “Não há paz sem a cultura do cuidado”: “A cultura do cuidado, enquanto compromisso comum, solidário e participativo para proteger e promover a dignidade e o bem de todos, enquanto disposição a interessar-se, a prestar atenção, disposição à compaixão, à reconciliação e à cura, ao respeito mútuo e ao acolhimento recíproco, constitui uma via privilegiada para a construção da paz.”

A cultura do cuidado, entendida como forma de relacionamento respeitoso entre as pessoas, as comunidades, as nações e a própria natureza não é “obra do acaso”, nem de espontaneísmo social; é fruto de uma ação empreendida pelas pessoas e instituições, de forma corresponsável. O cuidado consigo, com seus semelhantes e com “a casa comum” faz parte da natureza do ser humano. Quem tem formação religiosa reconhece que esse fenômeno foi inscrito por Deus na mente e no coração dos seres racionais.


Fonte: CNBB
Foto: Correio da Paraiba

FacebookWhatsAppTwitter