Palmares, 05 de agosto de 2021

A Cultura Católica Começa Em Casa

16 de junho de 2021   .    Visualizações: 122   .    Notícias da Diocese

*Pe. João Paulo Gomes Galindo

Uma futura cultura católica começa em casa

Peguei cautelosamente uma foto desbotada do meu álbum da infância. Ele fora guardado em um armário na casa de nossa infância por anos. Durante a maior parte da minha vida adulta, não escolhi revisitar aquelas velhas memórias, porque isso me obrigava a abrir velhas feridas saudosistas também.

Algo dentro de mim me disse para fazer uma pausa, e observei aquele garoto que eu era vinte anos atrás. Na foto, eu sorria com meus amigos. Lembrei-me daquele dia vividamente – me senti fora do lugar, um estranho, mas meus amigos me disseram para sair do meu humor e “apenas sorrir”. Então eu fiz.

Como católicos, tendemos sentir, por vezes, a sensação de que somos diferentes. É porque nós somos. Por nosso batismo, somos separados – não em um sentido social e superior, mas em um propósito: ungidos.

Hoje em dia, nosso coração está quase sempre dividido entre dois mundos – o que é eterno e o que é temporal.

Fazer a obra de Deus pode ser solitário e frustrante. É por isso que eu senti que não era exatamente como meus amigos, embora eu quisesse desesperadamente ser. Mas nossas conversas giravam em torno do estilo de vida popular e secular, e eu não me sentia confortável com isso.

Se desejamos construir uma cultura de santidade, temos que reconhecer que o mundo em que vivemos precisa desesperadamente da mensagem de Cristo, que só pode ser transmitida por você.

Construir uma cultura católica em sua casa envolve cinco etapas básicas:

  1. Compreender a cultura em que você vive
  2. Seguindo a verdade
  3. Juntar fragmentos quebrados
  4. Fazendo algo novo
  5. Olhando para o futuro e criando um legado

Compreendendo a cultura atual

Podemos nos perguntar: a cultura está me moldando ou estou criando cultura? Somos todos influenciados pelo mundo, bombardeados com mensagens da mídia e nos imergindo – embora às vezes subconscientemente – nas sombras de “o que todo mundo está fazendo” Com o tempo, tornamo-nos insensíveis ao que é verdadeiramente bom e verdadeiramente mau.

Muito do sofrimento que enfrentamos ao criar cultura é que permitimos que a cultura nos moldes ou que outros façam o trabalho que somos chamados a fazer. Criar cultura é como esculpir uma rocha – envolve intencionalidade e tempo.

 Seguindo a verdade

Se quisermos crescer em santidade, temos que enfrentar a realidade de que a cruz deve ser parte integrante do modo como vivemos. Isso significa fazer sacrifícios (por exemplo, fazer o que é desafiador diariamente). Para progredir nisso, podemos rezar pela virtude da fortaleza, que inclui paciência e perseverança.

Independentemente de obstáculos, dificuldades, provações e caos, a verdade permanece. Você encontrará o que procura.

Juntar fragmentos quebrados

Às vezes, criar um ambiente católico significa juntar os pedaços do que outra pessoa começou (ou mesmo do que você começou há muito tempo). Haverá momentos de renascimento e renovação, e momentos em que você terá que começar de novo. Para evitar o desânimo, lembre-se de que a estrela de Belém ainda brilhava, mesmo quando não era mais visível e, de fato, oculta pelas nuvens.

Fazendo algo novo

Faça algo totalmente novo e original com o que você já tem. Quando você acredita no que está fazendo e no que Deus colocou em seu coração, nada pode atrapalhar seu caminho. Essa é a verdadeira confiança na fé! Quando você carrega essa fé, ela o impulsiona além da estagnação e afeta outras pessoas que virão depois de você (por exemplo, a fé recebida dos pais capazes de repassar para sua posteridade). Seu trabalho não morrerá nem terminará.

Olhando para o futuro e criando um legado

Temos futuro. Somos uma Igreja do futuro, não do passado. Temos que olhar para onde Deus está nos levando, não para onde estivemos. Crie uma cultura que os outros possam continuar, onde o sacrifício seja normal e Deus, seja procurado em tudo. Não, faça algo velho como se fosse novo ou algo novo como se fosse velho. Esteja disposto a parar o que está fazendo a qualquer momento e vá para onde for chamado (pense: Santa Teresa de Calcutá).

Qualquer forma de construção, seja espiritual ou física, exige que não saibamos exatamente para onde estamos indo. Às vezes, nunca veremos a conclusão do trabalho de nossa vida. Quando você persegue algo mais alto do que o mundo oferece, você é atraído e persuadido pelas luzes com as quais, Deus inicialmente o favorece, mas não há uma conclusão absoluta.

Construir um estilo de vida católico não significa que você irá a medidas extremas de autoflagelação ou consumirá apenas pão e água. Não é tanto exterior, sinais farisaicos que os outros acharão chocantes ou perturbadores. É mais no que se torna uma segunda natureza – um ritmo, um compasso que constantemente revela, embora sutil, a tendência da presença e do amor de Deus


Foto: Diocese de Palmares

FacebookWhatsAppTwitter