Palmares, 22 de julho de 2024

Alicerçados numa certeza (I)

08 de agosto de 2019   .    Visualizações: 452   .    Palavra do Bispo

Vivemos num mundo de tantas ideias, diversas, desencontradas e contraditórias… Mil visões sobre a realidade que nos envolve: tem-se opiniões e teorias sobre o universo, sobre a natureza, sobre a história e suas leis, sobre a biologia e ecologia, sobre o psiquismo humano, o sentido da sexualidade, da cultura… No entanto, nenhuma dessas ideias explica e engloba o todo da realidade, nenhuma satisfaz realmente o nosso coração, com suas perguntas infindáveis…

Que fique claro: as ciências não poderão jamais desvendar o sentido da realidade e da vida! Poderão oferecer alguns modelos de interpretação; modelos parciais, provisórios, bem setoriais! Mas, o Sentido mesmo, envolto em Mistério, jamais ciência alguma poderá desvendar! Mais ainda: se tiver tal pretensão, descambará no puro e simples charlatanismo!

Também as religiões: tantas! E agora, com a globalização dos meios de comunicação, das redes sociais e a inédita intensidade de deslocamentos humanos, vamos nos dando conta da diversidade impressionante do modo como a humanidade concebe o Divino, o sagrado e suas relações com Ele…

Até mesmo no interior do próprio cristianismo: nunca se viu tantas denominações, tantas seitas, tantas “igrejas” pegue-e-pague como agora! Ao lado de denominações sérias, há tantas “igrejas” de araque, pastores de araque, missionários de araque com milagres de araque e promessas de araque… Triste vulgarização de coisas tão sérias!

Religião é algo muito sério, pois envolve a busca do Sentido que ilumina de modo global a realidade, a vida e a morte! Religião, no seu sentido mais nobre, não é para solucionar problemas, mas para nortear a existência!

Ante tal realidade tão complexa e inusitada, não são poucos os que se sentem perplexos e se questionando se existe mesmo a “Verdade” e a “religião verdadeira”. Não seria o cristianismo, não seria a nossa fé católica simplesmente mais uma possibilidade entre tantas, apenas mais uma tentativa ilusória de explicar e enfrentar a existência?

Não seria mais lógico, mais tolerante afirmar, como o fazem as religiões do Extremo Oriente, que o Mistério, o Divino não pode ser capturado, compreendido e, assim, toda religião é apenas um balbucio humano, tímido, provisório, imperfeito e incompleto sobre este Mistério que é a saudade visceral do coração humano? Esta visão não seria mais madura, mais tolerante, mais de acordo com a multiculturalidade do mundo globalizado atual?

Uma religião como o cristianismo não seria uma pretensão intolerante de se julgar “dona da verdade”?

Deixo estas perguntas… Num texto seguinte, neste mesmo espaço, concluirei estes pensamentos…

Dom Henrique Soares da Costa

Bispo de Palmares

Fonte:https://visaocristadomhenrique.blogspot.com/2019/08/alicercados-numa-certeza-i.html?fbclid=IwAR1nCDSg2Ls8s1BSBcBlsiw_VTmpJtOWDWfyAFBVJFJ9HrdYg5TMdIOvT-o