Palmares, 28 de maio de 2024

Algumas considerações sobre 2Tm 3,14 – 4,2

08 de novembro de 2019   .    Visualizações: 554   .    Palavra do Bispo
  1. São Paulo exorta a Timóteo:

“Caríssimo, permanece firme naquilo que aprendeste e aceitaste como verdade; tu sabes de quem o aprendeste”.

O que Timóteo aprendeu? A fé cristã no seio da Igreja. A fé não se descobre ou alimenta de modo individual e fechado em si mesmo. Se crer é um caminho pessoal, nunca é individual, fechado em si mesmo. É da Igreja que recebemos a fé e é a fé da Igreja que se faz nossa fé!

Esta fé é guardada e transmitida geração após geração por aquele órgão a que chamamos “Tradição” e, de modo especial, a “Tradição apostólica”, isto é, aquele núcleo, aquela semente que, desenvolvendo-se ao longo da história sob a guia do Espírito Santo e pelo ministério daqueles que receberam a Sucessão apostólica (os Bispos), vai-se explicitando a aprofundando cada vez mais, de modo coerente e orgânico.

Em muitas passagens do Novo Testamento podem-se encontrar referências a essa Tradição ou, como São Paulo gosta de dizer, a esse Depósito; trata-se do “Evangelho” ou “Palavra” que os Apóstolos pregaram oralmente sob a guia do Santo Espírito e permanece ininterrupta na vida e no sentir da Igreja de Cristo (cf. 1Ts 2,13; 2Ts 2,15; 2Tm 2,2). Ninguém é proprietário desta fé, deste “precioso Depósito” (cf. 2Tm 1,14), ninguém pode adulterá-lo, sequestrá-lo, deturpá-lo!

  1. “Desde a infância conheces as Sagradas Escrituras: elas têm o poder de te comunicar a sabedoria que conduz à salvação pela fé em Cristo Jesus”.

Quais são as “Escrituras” que Timóteo conhece desde criança? Os livros do Antigo Testamento.

Ainda não estava formado o cânon do Novo Testamento. São as Escrituras dos judeus que, lidas à luz da Tradição apostólica, revelam Jesus Cristo e abrem o caminho para o Evangelho! O Antigo Testamento lido em si mesmo não dá acesso a Jesus e não conduz à salvação pela fé em Jesus Cristo; somente lidas à luz do Cristo morto e ressuscitado, as Escrituras revelam seu sentido profundo e último: Jesus Cristo, nosso Senhor, único, necessário e absoluto Salvador, fora do Qual não há nem pode haver salvação ou esperança para a inteira humanidade e para cada pessoa!

Ainda hoje é assim: quem lê o Antigo Testamento em si mesmo, sem “re-lê-lo” à luz do Cristo, à luz da Nova Aliança, não passa da leitura judaica!

Por isso mesmo os fundamentalistas cristãos erram gravemente e fazem leituras tão descabidas dos livros sagrados, fora da Tradição apostólica da Igreja! Neste caso, é deixá-los falando sozinhos sobre imagens, transfusão de sangue, sábados, alimentos puros e impuros e outras “judaizadas” mais…

  1. “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para argumentar, para corrigir e para educar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e qualificado para toda boa obra”.

Aqui há afirmações importantíssimas:

(a) A Escritura Sagrada – Novo e Antigo Testamento – é inspirada por Deus. Se a forma da escrita é humana, seu Autor último é Deus. Nas palavras da Bíblia, nós encontramos realmente a Palavra de Deus! E, em última análise, esta Palavra é o próprio Cristo, o Verbo que Se fez carne. Por isso, podemos dizer que toda Escritura fala de Cristo e desconhecer a Escritura é desconhecer o Cristo, Palavra feita carne.

(b) A Escritura não tem como finalidade o simples estudo e, muito menos, a vã discussão. Sendo uma palavra que Deus nos dirige, ela espera e exige a nossa resposta – resposta na vida e com a vida, qualificando o homem de Deus para toda boa obra. Uma escuta da Escritura que não deságue em boas obras é vã e inútil – como já dizia São Tiago.

  1. “Diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de vir a julgar os vivos e os mortos, e em virtude da Sua Manifestação gloriosa e do Seu Reino, eu te peço com insistência: proclama a Palavra, insiste oportuna ou importunamente, argumenta, repreende, aconselha, com toda a paciência e doutrina”.

Por último, com solenidade e firmeza, o Apóstolo, exorta a que Timóteo combata o combate da fé. Na Igreja não deve haver espaço para o relativismo doutrinal nem moral, seja sob que pretexto for! Somos discípulos do Cristo nosso Deus e Sua Palavra (a Escritura lida à luz de Cristo segundo a Tradição da Igreja) é sempre o critério para nossa fé e nossa vida. Nem mesmo o Magistério da Igreja está acima da Palavra de Deus: somente ela é a norma última que normatiza todas as outras normas de fé! Nunca se deve calar a verdade em nome do diálogo ou do respeito pelos outros. Sem a verdade não há diálogo nem tampouco há respeito! Verdade e caridade são um binômio que jamais deve ser decomposto! Caridade sim, respeito sim, mas sempre dentro da verdade! O grande desafio dos nossos tempos é dizer toda a verdade de Cristo, único Salvador, com a caridade e a jovialidade de quem é conduzido pelo Santo Espírito de Cristo! Verdade na caridade e caridade na verdade! O Senhor nos sustente e ilumine neste caminho!

Dom Henrique Soares da Costa
Bispo de Palmares

Fonte: http://visaocristadomhenrique.blogspot.com/2019/10/algumas-consideracoes-sobre-2tm-314-42.html